7 dicas ideais para ajudar a equipe a ter mais autonomia no trabalho

É preciso de mais autonomia no trabalho. Só assim os talentos podem atuar por conta própria e solucionar os problemas com mais rapidez. Além disso, a autonomia estabelece um clima de confiança, aumenta o compromisso e até melhora a saúde do ambiente de trabalho.

autonomia no trabalho

Ambientes de trabalho centralizados, que dependem muito dos chefes, acabam apresentando diversos problemas: os funcionários são menos criativos, ficam mais insatisfeitos e o clima organizacional se torna nocivo ao bem-estar. Por essa razão, é preciso de mais autonomia no trabalho.

Existem muitas vantagens ligadas à autonomia. Primordialmente, os talentos podem atuar por conta própria e solucionar os problemas com mais rapidez. Além disso, a autonomia estabelece um clima de confiança, aumenta o compromisso e até melhora a saúde do ambiente de trabalho.

A seguir, vamos apresentar 7 ideias para ajudar a equipe a ter mais autonomia no trabalho e explicar como elas podem ser aplicadas na prática. Então, continue sua leitura.

Assim como a tecnologia, os conceitos de atendimento também evoluíram. Baixe o infográfico e fique por dentro!

1. Pare de microgerenciar o time de trabalho

Primeiramente, é preciso mudar a postura dos próprios líderes. Muitos dos superiores costumam microgerenciar seus subordinados, isto é, dizer milimetricamente o que deve ser feito e de que forma. E não costumam gostar de nada muito além daquilo que foi dito.

Essa postura cria uma relação de dependência. O talento não se sentirá livre para realizar suas tarefas diárias, vai achar que precisa do seu superior para fazer quase tudo — até para solucionar problemas simples, o que poderia ser feito por conta própria.

Em função disso, evite o microgerenciamento. Pare de estar sempre atrás dos empregados dizendo o que fazer, como fazer e quando fazer. É preciso estimular o amadurecimento do time, deixando-o errar e consertar suas falhas; assim eles experimentarão mais autonomia.

2. Estabeleça uma meta que seja clara para todos

Outra razão para a falta de autonomia dos empregados é que eles não sabem exatamente o que fazer no expediente. Ou melhor, que direção tomar e o que priorizar no dia a dia. É possível mudar isso por meio de metas claras, que determinem direções específicas.

Veja bem, se um funcionário sabe exatamente para aonde ir, não vai precisar recorrer ao gestor sempre que tiver alguma dúvida. Não precisará perguntar o que priorizar, se a margem de lucro ou se a concretização da venda, por exemplo.

Para tanto, é preciso estabelecer metas claras. O padrão SMART é um ótimo começo. É preciso metas que sejam: eSpecíficas, Mensuráveis, Alcançáveis, Relevantes e com Tempo bem definido. Desse modo, os colaboradores conhecerão os resultados desejados.

3. Mantenha os funcionários treinados

Se uma criança não aprendeu a se equilibrar sobre duas rodas, não vai ter autonomia para andar de bicicleta sem as rodinhas de segurança. Ela não está preparada. Do mesmo modo, dentro da empresa, é preciso deixar o grupo capacitado para que ande por conta própria.

Em vista disso, investir em programas de treinamento e desenvolvimento é uma ótima estratégia. Com boas capacitações, é possível tornar a equipe muito mais habilidosa e segura para enfrentar os problemas diários com acerto, sem que recorram ao superior imediato.

Felizmente, há muitas alternativas para sua capacitação. O treinamento presencial é o modelo mais utilizado. Outras opções são: treinamento EAD, colaborativo, mobile learning, jogos em grupo e treinamentos fora da empresa — em conferências, por exemplo.

4. Melhore a comunicação interna empresarial

A autonomia depende, em grande parte, da qualidade da comunicação. Isso acontece porque o trabalho deixa de depender do líder imediato e passa a ser do time, que só atuará bem caso se comunique de forma efetiva. Equipes que não se comunicam são falhas.

Para ficar mais claro, imagine uma equipe autônoma que não se comunica. Todos fazem o que consideram melhor à empresa, mas deixam de fazer isso com alinhamento por falta de diálogo. No longo prazo, isso vai gerar mais resultados negativos que positivos ao negócio.

Em vista disso, é necessário estabelecer canais que facilitem a comunicação interna, alguns exemplos são: softwares especializados, aplicativos mobile, murais de recados, redes sociais corporativas, telefone corporativo e e-mail. Assim, a comunicação será mais fluida.

5. Estabeleça uma cultura de autonomia

Outra dica importante é estabelecer uma cultura que valorize a autonomia. Não adianta apenas dizer aos talentos que eles precisam ser mais autônomos, é preciso mostrar que isso é verdade e recompensar com iniciativas bem-sucedidas.

Por exemplo, estimule os talentos a identificar e a solucionar os problemas que existem na empresa, com ideias criativas. Depois, recompense os empregados mais criativos e diga que espera isso de todos. Desse modo, estará construindo uma cultura de autonomia.

Infelizmente, muitos líderes fazem o oposto e estabelecem uma cultura de dependência. Não permitem que seus liderados atuem sozinhos na solução de problemas, muito menos que coloquem suas ideias em prática — o que é um grande problema.

[Infográfico] Manual de etiqueta do atendimento

Manual de etiqueta do atendimento

6. Aprenda a delegar mais tarefas

Alguns líderes se sobrecarregam com trabalho, pois não confiam em seus subordinados para fazer o que consideram importante. Isso prejudica a empresa de três maneiras: gera ineficiência operacional, sobrecarrega os líderes e transmite pouca confiança ao time.

Em vista disso, é preciso aprender a delegar mais tarefas. O líder deve descentralizar seus afazeres diários e permitir que seus subordinados assumam algumas de suas tarefas — não só as mais chatas e burocráticas — que fique claro.

No entanto, delegar uma tarefa não é somente “jogá-la” para um subordinado. É necessário preparar o empregado, explicar exatamente o que deve ser feito e acompanhar os primeiros passos. Depois, manter-se próximo, até que o empregado consiga andar por conta própria.

7. Ofereça feedbacks consistentes aos empregados

O feedback é um retorno de informação. É como explicar aos funcionários quais são seus pontos fortes e fracos, e como eles podem ser aprimorados. Oferecer bons feedbacks não é apropriado só para a empresa, mas especialmente para os talentos — que podem crescer.

Veja que com bons feedbacks os funcionários podem identificar e reparar pontos fracos ou reforçar seus pontos fortes. Isso significa que eles se tornarão mais competentes para exercer suas tarefas e poderão trabalhar com mais autonomia, sem depender do seu gestor.

Como você pôde observar, há muitas dicas que podem ser facilmente usadas para somar mais autonomia no trabalho. Melhorar a comunicação interna, oferecer bons feedbacks e definir metas claras são só alguns exemplos. Caso a equipe não tenha autonomia no trabalho, os resultados podem ser catastróficos, tanto à empresa quanto ao bem-estar dos funcionários.

E então, gostou do nosso artigo? Aproveite então para descobrir como pedir o nível de satisfação e lealdade dos funcionários por meio do indicador chamado de eNPS. Vamos lá!

Fale agora mesmo com um especialista em satisfação do cliente e melhore o seu atendimento. Clique aqui.