Edge Computing: como essa tendência vai mudar o dia a dia das empresas

A Edge Computing se concentra na otimização de recursos orientados por dados, trazendo a coleta, o processamento e os relatórios de dados o mais próximo possível do usuário final. Para implementá-la, é preciso planejar as suas ações, buscar bons parceiros, investir em segurança, entre outras coisas.

Edge Computing

A Edge Computing está sendo implantada em praticamente todos os setores, alimentada pela coleta de dados da Internet das Coisas (IoT) e conduzida por uma vasta gama de casos aos quais pode ser aplicada. 

Segundo a Gartner, até 2025, 75% dos dados gerados pela empresa serão criados e processados ​​fora da nuvem. Se você pretende adotar uma cultura inovadora orientada a dados, é preciso planejar a migração dentro de uma visão de longo prazo.

Continue a leitura para entender o conceito de Edge Computing, sua importância, qual a diferença entre ela e Cloud Computing e como implementá-la em sua empresa. Confira!

    Conheça o cenário, principais desafios e erros comuns do setor de TI brasileiro

    Raio-x do setor de TI

    Afinal, o que é Edge Computing?

    O próprio conceito de um carro rodando sem motorista já foi algo inimaginável para o mundo, mas pense no que é necessário para fazer essa inovação funcionar. O automóvel precisaria ser capaz de ter um GPS embutido que não apenas informa ao veículo quando virar, mas também o faz.

    O carro precisa ser capaz de “ver” e “sentir” tudo ao redor, desde os limites de velocidade até as condições climáticas ou outros veículos, pedestres e objetos, como postes telefônicos e buracos. Para que o veículo autônomo tenha sucesso, precisa de recursos instantâneos para detectar, analisar e decidir.

    A Edge Computing se concentra na otimização de recursos orientados por dados, trazendo a coleta, o processamento e os relatórios de dados o mais próximo possível do usuário final. Ela tem uso no data center corporativo, em uma casa, na área de saúde, em cidades inteligentes e até mesmo no meio do oceano.

    Em outras palavras, é um conceito de computação distribuída que integra inteligência a dispositivos, permitindo que os dados sejam processados e analisados ​​em tempo real, próximo à fonte de coleta de dados. Dessa forma, os dados não precisam ser carregados diretamente para a nuvem ou para um sistema de processamento de dados centralizado.

    Por que é importante adotar essa tendência no dia a dia da empresa?

    A maioria das empresas armazena, gerencia e analisa dados em uma nuvem pública ou em um ambiente de nuvem privada. No entanto, a infraestrutura tradicional e a computação em nuvem não são mais capazes de atender aos requisitos de muitos aplicativos da vida real. 

    No caso da IoT e da IoE (Internet de Todas as Coisas), por exemplo, uma rede altamente disponível com latência mínima é necessária para processar grandes quantidades de dados em tempo real. Isso não é possível em uma infraestrutura de TI tradicional. 

    Nesse caso, as vantagens da Edge Computing se tornam mais óbvias. Afinal, os dados são processados ​​perto da fonte de coleta de dados, portanto, não há mais a necessidade de transferir dados para a nuvem ou para o data center local. Essa abordagem diminui a carga na rede e nos servidores.

    Devido à capacidade de processar dados em tempo real com tempo de resposta mais rápido, esse recurso é altamente aplicável no campo da IoT, particularmente IoT industrial (IIoT). Além de acelerar a transformação digital para empresas industriais e de manufatura, a tecnologia permite mais inovações, incluindo Inteligência Artificial e aprendizado de máquina.

    Qual a diferença entre Edge Computing e Cloud Computing?

    A principal diferença é que, na Cloud Computing, os dados são coletados, processados ​​e analisados ​​em um local centralizado. Por outro lado, a Edge Computing é baseada em um ambiente de computação distribuído, no qual os dados são coletados, processados ​​e analisados localmente.

    Assim, não há necessidade de escolher entre uma e outra para solução em nuvem, pois elas não competem entre si, apenas se complementam e trabalham juntas para proporcionar um melhor desempenho nas aplicações.

    Como implementar Edge Computing?

    Agora que você entendeu o conceito, a importância e a diferença entre Edge e Cloud Computing, saiba o que precisa fazer para a sua implementação!

    1. Planeje as ações  

    É importante pensar nos casos de uso da tecnologia como parte de uma estratégia geral de automação. Considere como os aplicativos de ponta e arquiteturas distribuídas darão apoio do ponto de vista de capacidade, monitoramento, implantação e gerenciamento de serviço.

    Lembre-se de que adotar a Edge Computing tem tudo a ver com o uso eficiente de recursos a longo prazo. Mapear a arquitetura a partir de uma perspectiva de uso de recursos é útil para encontrar maneiras de otimizar a operação da empresa.

    2. Use a tecnologia para coletar dados

    A Edge Computing ganhará mais popularidade nas empresas de telecomunicações, principalmente à medida que mais redes 5G se tornem universalmente disponíveis. 

    Nesse sentido, os profissionais de TI precisam determinar quais dados devem ser manipulados por dispositivos locais/de ponta, onde retê-los, o que deve ser relatado à nuvem, às plataformas administrativas, e em que cronograma deve ser entregue.

      Reunimos tudo o que você precisa saber sobre sistemas de atendimento em um único material. Baixe agora!

      Dos benefícios aos recursos - tudo sobre atendimento

      3. Busque bons parceiros

      Ao selecionar um fornecedor de Edge Computing com uma aliança de parceiros globais e locais, é possível fazer com que produtos, aplicativos e soluções que incorporam o ambiente de TI funcionem juntos.

      Assim, tudo é perfeitamente projetado para suas necessidades comerciais exclusivas. Melhor ainda: uma aliança oferece flexibilidade para trabalhar com ampla variedade de parceiros de canal.

      4. Coloque virtualização e modernização em prática

      Para modernizar é preciso virtualizar, ou seja, rodar um sistema dentro de outro. E quando a tecnologia é incorporada à virtualização, várias operações podem ocorrer simultaneamente, todas em um único hardware.

      Isso proporciona enormes benefícios em termos de confiabilidade, capacidade de gerenciamento e criação de uma plataforma sólida pronta para o futuro.

      5. Invista em segurança

      Por fim, é preciso pensar no risco de vulnerabilidades de segurança desde o início, uma vez que o volume do patrimônio de TI da empresa se torna muito maior. Sendo assim, é necessário implantar uma abordagem de segurança multicamadas que se alinha com suas iniciativas para garantir que os ativos sejam protegidos adequadamente.

      Percebeu que as organizações baseadas em rede, comunicação, atendimento e IoT não podem ficar esperando até que uma nova tendência chegue antes de começar os preparativos para a inovação? A Edge Computing tem um potencial enorme para fazer o seu negócio prosperar.

      O benefício mais importante é a capacidade de aumentar o desempenho da rede, reduzindo a latência. Como os dispositivos processam dados localmente ou em data centers próximos, as informações que eles coletam não precisam viajar tão longe quanto em uma arquitetura de nuvem tradicional.

      Quer ficar por dentro de outras informações úteis para a sua empresa? Então, assine a nossa newsletter e receba todas as atualizações do nosso blog!

      Faça uma demonstração gratuita do Movidesk e saiba como melhorar o relacionamento com o cliente!

      Deixe seu comentário