Afinal, o que é design thinking e como utilizar na gestão de processos?

Você sabe o que é design thinking? Neste post explicamos essa teoria e como aplicá-la para solucionar muitas questões na rotina empresarial, principalmente a otimização de projetos. Leia e saiba mais!

Design Thinking

Buscar soluções e melhorar os processos internos é um dos grandes desafios dos gestores. A dificuldade está em fazer uma gestão de qualidade e que atenda às necessidades de todos os departamentos. Afinal, são muitas pessoas e passos que devem ser analisados e estudados. Certamente, é aqui que o design thinking pode ajudar sua empresa a resolver problemas e crescer nos negócios.

Essa técnica da área de design desenvolve estratégias humanas e inovadoras para questões da rotina empresarial. Quer entender melhor o que é design thinking e como aplicá-lo em sua empresa? Chegou a hora, pois vamos contar tudo para você. Boa leitura!

O que é design thinking e por que utilizar?

A origem dessa prática é muito discutida, mas todos concordam que é uma evolução da teoria de design e engenharia, surgida entre as décadas de 60 e 70 do século passado. O nome em inglês significa “pensamento de design” e o conceito é exatamente esse: uma forma de resolver problemas aplicando o pensamento de design — criativo e centralizador de pessoas.

A visão humanista da situação é a principal característica do design thinking. Focando na geração de ideias inovadoras e que coloquem os usuários no centro da solução — o grupo de pessoas a que a resolução se destina. Além disso, o conceito também pode ser aplicado para desenvolver novos produtos e serviços, de acordo com as necessidades do público-alvo.

O design thinking é composto, basicamente, de três fases:

  1. Imersão: essa é a primeira parte de toda a cadeia de ideias que surgirá. Por isso, colete o máximo possível de informações sobre o problema e usuário, fazendo pesquisas e entrevistas, idealizando personas e desenvolvendo a empatia;
  2. Ideação: após compreender do que se trata o projeto, para quem se destina a solução e qual é o problema a ser resolvido, começa a verdadeira chuva de ideias dos profissionais envolvidos;
  3. Prototipação: aqui é o momento de dar corpo para as ideias apresentadas. Inclua materiais e informações importantes para que se tornem realidade.

Amigo gestor, é importante frisar uma coisa: o design thinking não é algo rígido e linear. Essas três fases iniciam-se com a tomada de conhecimento do problema e depois disso qualquer coisa pode acontecer. Tanto é que muitas empresas aplicam uma fase de análise antes da ideação e uma fase de testes depois da prototipação.

Essa flexibilidade é muito importante e benéfica, pois qualquer tipo de negócio pode aplicar o conceito na gestão de processos. Essa versatilidade faz parte do nosso próprio jeito de pensar, sabia? Quando contamos um problema para um amigo ou familiar, é normal que a pessoa já vá imaginando mil coisas enquanto ouve sua história.

Por isso mesmo que a prototipação e ideação podem surgir ainda na fase de imersão. Mesmo tendo seus próprios momentos depois. Os principais benefícios de aplicar as fases do design thinking é a prática da empatia e o desenvolvimento da criatividade, além do estímulo de ideias novas e empreendedoras.

Consiga melhores resultados em seu telemarketing

Como aplicar o design thinking?

Agora que você entende o que é design thinking e conhece a aplicação de seu conceito pelas três fases, vamos dar dicas de como aplicar essa teoria em sua empresa. Acompanhe as próximas linhas!

Visualize suas necessidades

Não tem como chegar na sua equipe e dizer “quero ideias legais de propaganda” sem contextualizar algumas informações, não acha? É preciso dizer quem é o público, produto ou serviço promovido, além de outras características do que será comercializado. É assim que funciona a gestão de processos baseada em design thinking.

É preciso enxergar as necessidades do negócio, cliente e mercado para obter os melhores resultados. Aprofunde e amplie os casos problemáticos, estudando as situações e circunstâncias em que ocorreram. Pense em expor uma espécie de linha do tempo com os problemas encontrados e as necessidades que surgiram deles, facilitando enxergar o todo.

Envolva as pessoas

Procure envolver todas as pessoas que participam das etapas ligadas ao problema e solução do projeto. Isso quer dizer que sua equipe deverá ser multidisciplinar. Suas pesquisas devem incluir o público consumidor e os colaboradores que trabalharão com os produtos e serviços desenvolvidos. Afinal, o foco do design thinking é centralizar as pessoas nos processos, certo?

Estimule ideias novas

Não existe ideia ruim, ultrapassada ou que não funciona. Qualquer ideia é bem-vinda, sabe por quê? Pois o simples ato de ouvir a ideia do outro gera novas ideias. Muitas vezes, os pensamentos precisam apenas de uma lapidação, e o compartilhamento é o primeiro passo para isso acontecer. Então, não sinta vergonha e estimule todos para que digam o que pensam.

Analise as sugestões

Depois de anotar as ideias da equipe de projetos, é preciso analisar o que foi sugerido. O intuito não é dizer se foi bom ou ruim o que foi sugerido. Mas saber se são ideias aplicáveis e condizentes com a realidade, se elas respeitam as necessidades do usuário e se podem ser implementadas facilmente.

A análise das sugestões deve ser feita antes da fase de testes para melhor aproveitamento dos recursos implementados.

[Ferramenta] Diagnóstico de gestão de atendimento

Faça um diagnóstico gratuito do seu negócio e descubra pontos de melhorias para oferecer uma experiência incrível ao seu cliente!

Diagnóstico de gestão de atendimento

Faça testes

Fazer testes é muito importante para o sucesso da gestão de processos que utiliza o design thinking. Afinal, é nessa etapa que você conseguirá ver se aquela ideia inovadora realmente funciona. Os testes não são necessariamente o final de tudo. É possível que durante a experimentação surjam problemas, novas soluções e aprimoramentos necessários.

Como disse anteriormente, é possível aplicar o design thinking inclusive para desenvolver novos produtos e serviços. O processo é basicamente o mesmo: foco nas pessoas, coletando o maior número possível de informações e desenvolvendo momentos criativos de ideias com a equipe multidisciplinar. O que mudará será o público, uma vez que na gestão de processos internos o alvo são os colaboradores.

Aplicando o design thinking na solução de problemas rotineiros dentro da empresa, os gestores conseguem até mesmo entender qual a melhor estratégia durante a negociação de compra e venda de ações de mercado. O segredo está na forma de implementar a técnica. É necessário que a empatia seja usada e alinhada com muitas pesquisas sobre o público alvo, além da geração de ideias inovadoras.

Bom, contamos quase tudo o que você precisa saber para iniciar uma nova fase produtiva na gestão de processos em sua empresa. Para se especializar mais ainda, o que acha de conhecer as melhores práticas para administrar projetos?

Movidesk: Teste grátis


Leia também: